sexta-feira, 30 - outubro - 2020

Mergulho no Tempo

Este livro de Aralúcia Leão Rocha, “Mergulho no Tempo”, foi lançado em 1986, na casa de Dona Florentina (Rio Preto).

Mergulho no Tempo

É um livro muito íntimo a Rio Preto, ao sentimento que somente existe no âmago do autêntico riopretano, que cresceu afagando em sua memória a essência mágica destas expressões: “Rio Preto” (município), “terra vermelha”, “poeira”, “rio” (Praia do Lapeiro), “Festa de Agosto”, “mastro da Festa de Agosto”, “Marujada”, “ir a Diamantina”, “grupo” (escolar), dentre tantas outras…

Como saber se você é um riopretano autêntico? Fácil. Uma maneira: se você gosta de ler, se ler “Mergulho no Tempo” e gostar (sentindo sensações agradáveis relacionadas a nossa Terra amada, imaginando como era a vida e humor dos nossos antepassados – nossas raízes), então você é um riopretano autêntico.

“Mergulho no Tempo” é um livro que a gente começa a ler e não consegue parar. A gente o lê numa só sentada e, quando ele acaba, a gente fica querendo mais…

Ele começa com a viagem de duas irmãs, da cidade grande para Rio Preto, depois de mais de 20 anos. Chegando, uma das irmãs começa a andar e só para no Rio Preto (rio), de onde começa a recordar das suas amiguinhas de infância, do jeito como elas percebiam as lavadeiras de roupa (…). Depois, na Rua Sapucaia, ela encontra o senhor José Souto (Zé Souto), o qual lhe conta várias histórias sobre vários assuntos (…). Saudosos visitantes os “interrompem”: Dona Florentina, Paulo Rocha (…).

Trecho do livro:

Sugeri que falássemos de amor.
O mestre volta a falar com entusiasmo:
(José Souto:) — O amor era bem diferente dos dias de hoje. Olhe, filha, a maioria dos casamentos aconteciam até mesmo sem que o rapaz conhecesse a moça e vice-versa.
(Moça visitante:) — Não é possível!
(José Souto:) — É, vou lhe dar um exemplo: passou por aqui um comprador de diamante que, cansado de viajar, pediu ao fazendeiro senhor Mendes uma pousada naquela noite. Este atendeu de bom grado ao pedido. E enquanto conversavam, corre pela casa uma linda menina que chamou a atenção do visitante, que logo comentou: “Que linda menina! Quando completar idade, gostaria de me casar com ela, com a permissão do senhor, é claro. O senhor consentiria?”
(…)
(José Souto:) — É filha, o boi a gente pega pelo chifre, o homem pela palavra.

Segundo Aralúcia, o livro é quase totalmente verídico, no que ela o floreia com a ficção também.

Infelizmente, “Mergulho no Tempo” já não está mais à venda, edição com estoque esgotado. Mas a autora, num ato carinhoso com os riopretanos e interessados, concedeu a distribuição grátis do livro digitalizado.

Para baixar o livro (texto integral – 4,76 MB):

Baixar

(Fica um agradecimento imenso a Aralúcia pela disponibilização integral dessa sua obra a todos os riopretanos e a todos!)

Clique aqui para saber mais sobre a escritora e poetisa Aralúcia Leão Rocha.

Sobre Diego Emanuel

Riopretano, poeta e programador. Acredita que o mundo melhor começa em nós mesmos, e que será construído com cada ser humano pensando o bem a qualquer outro – caminho para a felicidade individual -, com educação, trabalho que liberta e automação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *